quarta-feira, 22 de março de 2017

The new Flying Dutchman

Flying Dutchman Jeroen Dijsselbloem
Jeroen Dijsselbloem mede os povos do Sul pela bitola que conhece.

Lá porque o(a)s indígenas da terra dele costumam vir passar férias a Sul para serem fornicado(a)s e se embebedarem não significa que o(a)s indígenas do Sul que lhes aturam as bebedeiras e o(a)s fornicam não trabalhem arduamente.

A incapacidade dos políticos europeus entenderam o que é o espaço europeu e continuarem o caminho suicida de, a Norte, sofrerem de um inaceitável complexo de superioridade não lhes permite olhar de igual para a totalidade do espaço comum onde a diversidade é o factor de enriquecimento do continente onde historicamente se deu início às maiores atrocidades humanas.

Para além do mais, Jeroen deveria saber que as "ajudas" dadas a Sul são um negócio chorudo para a agiotagem nórdica que vê nessas “ajudas” uma janela de oportunidade para engordar a sua finança.

A esta abécula nem sequer assiste a inteligência de se retractar, tão convencido que representa o pensamento Nortenho da Europa embora o grupo político que representa tenha sido esmagado no último sufrágio no seu próprio País.

Quem julga pelo que faz (ou lhe é feito) nas férias a Sul nunca irá entender o muito que o Sul trabalha para lhe proporcionar o lazer e os prazeres que não encontra na sua terra.

Por cada copo de bom vinho que a Norte se bebe houve muito suor em jornas feitas a Sul.

É caso para dizer a este holandês que pare de sonhar com a lenda do Flying Dutchman e que chegou o tempo de voltar a calçar as socas de pau que, em tempos, trocou pelo excelente calçado com que o Sul o calça.
LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.039/2017]

segunda-feira, 13 de março de 2017

E os banqueiros, enquanto vivem, esfolam a nossa

Lingerie Leopardo

Ficou para a história, e até fazia parte dos genéricos que anunciavam os documentários da SIC sobre o Costa do Castelo, a máxima de Ricardo Salgado na comissão parlamentar do BES:

“O leopardo quando morre deixa a sua pele. E um homem quando morre deixa a sua reputação"

Com o decurso daquilo que se sabe e adivinhando que há uma conta enorme para pagar, mais uma daquelas que no inicio nos diziam que ficaria de graça para a generalidade dos contribuintes, facilmente aferimos que só não se aplicará à generalidade dos contribuintes porque os chineses, americanos e outros tipos de índios não a irão pagar.

É caso para dizer que:

“O leopardo, quando morre, deixa a sua pele. Os banqueiros, enquanto vivem, esfolam a nossa.”

E sobre reputação ficamos conversados até porque já sabemos amplamente que os banqueiros e respectivos reguladores esfolam-nos a pele enquanto têm garras e depois de as perder continuam a esfolá-la sem nunca serem chamados a devolver os escalpes que fizeram.

Isto é, no activo esfolam os clientes do banco regulado ou gerido e quando passam a passivos esfolam, além desses, todos os restantes contribuintes deste País onde nunca se apura (nem se quer apurar) para que bolso foi a pele esfolada.

Dizem-nos que não se trata de esfolamento mas sim de esfoliação. De mansinho retiram-nos a parte mais superficial da cútis para que nova pele surja fresca e macia, pronta a ser esfoliada todas as vezes que for necessário.
LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.037/2017]

Já fui feliz aqui [ MDLX ]

Postal de Natal DGITA 2002

Humor negro - Postal Natal 2002 DGITA - Portugal
LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.036/2017]

sábado, 11 de março de 2017

Aqui quem dá ordens

11 de Março de 1975

"Meu caro amigo, aqui quem dá ordens no País é o Presidente da República, é o Primeiro-ministro, é o Otelo Saraiva de Carvalho e é o Chefe do Estado Maior-general."

11 de Março de 1975 - Lisboa - Portugal
LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.035/2017]

terça-feira, 7 de março de 2017

Quem não chora não mama


Vem a Deco avisar que, em relação ao IMI, o Estado tenta arrecadar o que não lhe é devido.

A AT não tem mecanismos automáticos para recalcular o imposto com base no “tempo que passa” dando forma à lógica de “quem não chora, não mama”.

O Fisco nunca olhou para o contribuinte como cidadão de bem.

Para ele (para o fisco) os contribuintes são, em princípio, infractores sempre prontos a enganá-lo e, por tal, não merecem provedor nem protecção.

O Fisco desenvolve as suas aplicações informáticas com a intenção de apertar a malha na colecta (pelo menos aos médio, pequenos e micro-contribuintes, como se viu na negligência do caso dos 10.000.000 das offshores) mas não as manda desenvolver considerando requisitos automáticos que façam aplicar à colecta as correcções que a diminuam nos termos da Lei.

Dizem que haverá sempre possibilidade de os cidadãos poderem pedir a revisão das variáveis aplicadas aos parâmetros que determinam o valor a cobrar, na esperança de que a maioria dos cidadãos-contribuintes sejam ignorantes em matéria das teias em que o Fisco se envolve e da linguagem de palmo que usa.

É nesta imoralidade que envia para casa dos contribuintes notas de pagamento do IMI com um valor de liquidação superior ao estipulado na Lei, alheando-se dos seus deveres de provedor na defesa dos que o sustentam.

Quem pagou, pagou e quem não chora não mama. Merecíamos melhor compreensão dos direitos dos contribuintes por um executivo socialista.
LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.034/2017]

Já fui feliz aqui [ MDLIX ]

Mississipi

New Orleans swamp - Mississipi - EUA
LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.033/2017]

quinta-feira, 2 de março de 2017

A new miracle was born

Santa Teodora Cardoso

Mais uma Santa da Ladeira (abaixo)

LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.032/2017]

O Costa do Castelo (act.)

O Costa do Castelo
"ah, a pasta do banco!"
- dizia o António Silva.

E agora uma notícia em primeira mão (já pareço o pequenote dos sermões de Domingo na SIC).

Pode refastelar-se na cadeira do barbeiro e assistir ao desenrolar da trama, na primeira versão de 1947, onde Simplício Costa vai parar à mansão de Dom Simão e reencontra Mafalda, um seu antigo amor.

A intriga de Isabel Castelar atrapalha o romance de Luisinha e André mas tudo acaba em bem, ou não fosse esta treta um romance à portuguesa.



Em alternativa pode logo, no Jornal da Noite na SIC, seguir o segundo episódio na versão Século XXI, com investigação de Pedro Coelho.

Se perdeu o primeiro episódio, e tiver estômago suficiente, descontraia a cabeça e os pés nos encostos da cadeira do barbeiro e siga a reportagem.

O saco para o vómito é fornecido gratuitamente.



Fica o segundo episódio:



Fica o terceiro episódio:



Nota: Conforme prometido, este post foi actualizado com os 2º e 3º episódios.
LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.031/2017]

Já fui feliz aqui [ MDLVIII ]

Gunter Grass

Gunter Grass - Almancil - Portugal
LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.030/2017]

quarta-feira, 1 de março de 2017

Olé Núncio! Nós que vamos morrer estamos eternamente agradecidos



Dona Assunção decretou há dias que todos nós, incluindo os contribuintes que viram penhorados os seus bens e haveres pelo Fisco intolerante e pelo confisco austero, devemos erguer as mãos para o Céu e agradecer ao Divino ter-nos brindado durante quatro anos com um Núncio, que de touros pouco sabe, mas que de saque intolerável sabe tudo.

O tal Núncio, aficionado de cabrestos, veio agora à Comissão da Assembleia da República revelar a sua ignorância em matéria de dissuasão de crimes fiscais e justificar o injustificável com uma razão que não caberia na cabeça de um terceiro banderillero de segundo tercio.

Até mesmo de Paulo Núncio (o tal a quem muito devemos conforme ditou Cristas) não se esperava tão malfadada brega no esconde-esconde das offshores made in Portugal.

Defender-se, dizendo que não divulgou os dados porque com essa acção pretendia evitar a evasão fiscal, é tão idiota como dizer que não se divulgam os números relativos à violência doméstica porque se quer acabar com ela, não se prendem os ladrões porque pode-se fomentar os assaltos, ou que não se deve tourear porque se pode ser colhido.

Há limites para a campinagem, mesmo para quem fundiu o fisco com as fronteiras e neles misturou a informática que, de forma independente, lhes prestava serviços.

Há que manter estes garraios ao estribo e sacar-lhes a batuta com que queriam continuar a reger-nos ao som de um españa cañi.
LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.029/2017]

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Só dez mil milhões?

Perdigueiro Perdiz

O Fisco português é uma espécie de perdigueiro treinado para a pequena cinegética.

Perdizes, coelhos, lebres, rolas e outros animais quase domésticos de pequeno porte não lhes escapam, mas podem estar a farejar ao lado de um javali a banquetear-se num cevadouro e a espojar-se nos restos entornados da gamela e não dar por ele.

Devido ao porte do javardo, eles (os perdigueiros treinados para a caça leve) não reconhecem os animais de grande porte (caça grossa) como alvos da caçada.

Exceptuam-se, naturalmente, os casos em que o bardajão já está ferido de morte, uma vez que o rasto de sangue os atiça para o abocanhamento.

Os casos recentemente conhecidos comprovam que o odor de cabidela atrai não só os perdigueiros de serviço como também os farejadores dos informes.

LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.027/2017]

Já fui feliz aqui [ MDLVI ]

Comporta

Comporta - Setúbal - Portugal
LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.026/2017]

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Nunca lhe perdoarão

Escalpe

Possivelmente mentiu.

Alegadamente terá cometido o pecadilho arrogante dos detentores do poder que pensam tudo poder contornar legislando, como se a legislação pudesse ser um instrumento de excepção aplicada a casos particulares.

Provavelmente prometeu o que não poderia cumprir com o intuito de colocar um homem de currículo à frente da instituição pública financeira que concentra os mais importantes recursos do sector Estado.

Hipoteticamente terá cometido perjúrio na Comissão Parlamentar.

Mas o que nunca lhe perdoarão é o facto de ter comprovado que a teoria thatcheriana do ”there Is no alternative” é uma falácia, assim como nunca lhe perdoarão a prova provada de que é possível cumprir as metas estabelecidas pelos agiotas internacionais sem esmagar os contribuintes.

Enquanto Centeno tiver um pêlo no couro cabeludo, Passos Coelho e Cristas, apostados no desmantelamento da CGD e na chicana política do desvario guerrilheiro para conseguir a lei da terra queimada, hão-de exigir o seu escalpe.

Os esbirros xavieranos, serviçais de vichyssoises marcelistas, nunca lhe perdoarão a inocência política com que foram conseguidos os resultados técnicos que anulam as teses da submissão e do espírito de bons alunos acobardados, magistralmente instruídas na cadeira de economia-do-lar que Cavaco regeu às quintas-feiras, e não só.
LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.025/2017]

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

À couse de o caso dos vistos Gold:

Corrupção

Tendo por bem que a definição de corrupção é "oferecer algo para obter vantagem em negociata onde se favorece uma pessoa e se prejudica outra", não estará o Ministério Público a incentivar a dita cuja quando dá a entender que se alguns dos arguidos se transformarem em “gargantas fundas” poderão vir a beneficiar de atenuantes?

Confirma-se que o Mundo anda perigoso e que a justiça nacional anda pelas ruas da amargura.
LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.023/2017]

Já fui feliz aqui [ MDLIV ]

Stones

Stones - Lisboa - Portugal
LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.022/2017]

domingo, 12 de fevereiro de 2017

Do ressabiamento




O Presidente da República que menos popularidade conseguiu reunir em tempos de democracia fez respingar para os jornais algumas passagens de mais um livreco de memórias selectivas do tempo em que pensou ser alguém.

Daquilo que se soube, não fala dos fanicos que lhe eram frequentes quando a sua fraca personalidade era sujeita a stress mas sim das aventuras e desventuras a que submetia, no bunker em que se fechou, aqueles que com ele tinham de conviver na partilha de funções de Estado.

Falo de Cavaco, claro, que acabou o seu mandato com uma popularidade abaixo de cão, igual a si mesmo, com um pé no condomínio privado do BPN na Coelha e o outro no Pátio dos Bichos onde tinha as costas bem guardadas de um povo que o odiava.

O ressabiamento não o abandona nem sequer neste tempo de ressaca em que lhe pagamos as mordomias no convento de Alcântara onde as assombrações de Frei Luís de Sousa lhe lembrarão que à pergunta:
- Quem sois?
sempre responderá:
- Ninguém!

Homens pequeninos nunca serão grandes Homens ou, como diria Viegas:
Porra para o Cavaco, porra, pim!
LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.021/2017]

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

As micro mini-minis

Trotinete Micro
Depois da xaropada do PSD se aliar, uma vez mais, àquilo que chama as "esquerda-radical" e "extrema-esquerda-radical" para entalar o Governo e desvalorizar a Concertação Social, vem agora António Costa atirar com o tapa-buracos do PEC, coisa de agrado dos alegados “radicais” e do patronato concertado socialmente.

Solução B
encontrada, com agrado das “extremas” e dos empresários portugueses miseráveis que não cessam o soluçar por terem de pagar mais um par de euros aos trabalhadores que insistem em manter no salário mínimo (um dos mínimos mais mínimos dos salários de toda a Europa), segue-se para bingo.

É vê-los a evocar as mini e micro-empresas, com a boca cheia por serem o tecido empresarial português, alegrando-se com essa realidade e com a demonstração de força que lembrou ao Governo do PS que é sustentado pelos acordos da corda bamba sem rede e que se não equilibrar bem a maromba acabará por se estatelar no chão do circo.

E os mini e micro empresários chorões, tão empresários quanto essa condição lhes permita comprar em nome das empresas mini-mini a maior maioria dos bólides que por nós passam a voar nas auto-estradas, lá continuarão no seu choro lamentável de não poderem pagar mais uns litros de leite por mês a quem lhes dá a força do trabalho que realiza o lucro para as suas garrafas de whiskey.

Oremos por eles.
LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.020/2017]

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

A coerência é tramada

Lisboa Manif. de 2012

Fui um daqueles que passeou até à Praça de Espanha quando se tentou, pela primeira vez (2012), passar parte dos custos patronais da TSU para a carteira dos trabalhadores.

Não estranha, por isso, que hoje continue a entender que essa passagem, seja ela feita directamente para os trabalhadores ou indirectamente para os contribuintes, continue a dar vontade de voltar à Praça de Espanha e de soletrar, no arco de Custódio Vieira (exilado de São Bento), as letras de metal escritas por Sophia, emergindo da noite e do silêncio para livre habitar a substância do tempo.

Sei que ser coerente, nos dias que correm, é coisa rara. Uns por proporem agora aquilo que antes rejeitaram, outros rejeitando hoje o que teimosamente quiseram levar avante contra tudo e contra todos.

E é escusado evocar a lengalenga das pequenas e micro empresas. A medida aplica-se a essas, (muitas das quais só existem para justificar os bólides novo-rico que circulam nas auto-estradas) como se aplica às outras dos super e hiper do comércio a retalho que mantém precários no salário mínimo enquanto os seus donos fazem figura nas capas das revistas e nos top do 1% da insana desigualdade inumana.
LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.018/2017]

Já fui feliz aqui [ MDLII ]

Lisboa com nevoeiro

Nevoeiro - Lisboa - Portugal
LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.017/2017]

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Lágrimas e suspiros

Lágrima
Este País num vale de lágrimas ao olhar para o recibo deste mês e a aperceber-se que ganha menos do que em Dezembro de 2016.

Um País a fazer de conta que não sabe que em Novembro/Dezembro deste ano de 2017 vai cair no recibo de vencimento + 50% de um subsídio de Natal que há uns anos foi diluído em duodécimos para fazer de conta que, aí sim, não tinha havido uma redução real do rendimento anual.
LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.016/2017]

domingo, 15 de janeiro de 2017

Já fui feliz aqui [ MDLI ]

Os árabes em Lisboa

Carnaval de 1971 - Uma missão da Arábia Saudita... - Eduardo Oliveira Rocha, Frederico Abecassis, Jorge Correia de Campos, Manecas Mocelek, Manuel Correia, Mário de Araújo Cabral (“Nicha Cabral”), Michel da Costa - Rest. Tavares - Lisboa - Portugal
LX70
LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.015/2017]

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

This almost mythical sea flows between islands and peninsulas, linking three continents

Apesar do explicativo do bailado (cerimónia de abertura da Presidência de Malta (2017) do Conselho da UE) onde:

"This almost mythical sea flows between islands and peninsulas, linking three continents."

sinto neste bailado o cemitério líquido e os muros em que se transformou o mítico mar que sempre uniu os três continentes e que tanta fortuna aportou ao continente europeu durante os séculos em que foi usado para mercantilizar a riqueza dos outros dois continentes.

1101 Opening Ceremony show from EU2017MT on Vimeo

The Mediterranean is a unifying theme of the BOZAR multiannual programme. This almost mythical sea flows between islands and peninsulas, linking three continents. It is the birthplace of empires and civilizations. After Cyprus (2012) and Greece (2014), we drop anchor in Malta to the proverbial fanfare of the Malta Philharmonic Orchestra, conducted by maestro Brian Schembri. La donna è mobile from Verdi’s Rigoletto, E lucevan le stelle from Puccini’s Tosca and other legendary operas and arias are highlights of the programme, alongside Knights of Malta Ballet Suite by Malta’s national composer Charles Camilleri (1931 – 2009). For this ballet the composer takes inspiration from the Order of Malta or Order of Saint John, a medieval order of knights that still exists in Belgium in the form of a non-profit organization that helps the sick and the poor.
Concert to mark the 2017 Maltese Presidency of the Council of the European Union.
LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.014/2017]

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Pescadinhas de rabo na boca [ II ]

Pescadinha Rabo Boca
Pede-me o “Sr. Francisco” que dê “...pelo menos destaque igual ao que deu ao seu (meu) post pouco informado”.

Aqui fica, embora como o “Sr. Francisco” deva saber, por ser uma pessoa muito bem informada, que um Blog não é um Órgão de Comunicação Social e como tal não está sujeito a direitos de resposta. A coisa aqui é mais simples: O dono do Blog publica no corpo do Blog e fica (se o dono do Blog entender) reservado direito de resposta na caixa de comentários.

Mas que não seja por isso.

Não só darei o mesmo relevo, como irei publicar abaixo o seu comentário a negrito e em itálico ao meu post nº 4/2017, ficando assim resolvida a questão do “pelo menos”.

Só umas notas prévias ao comentário de Francisco Rodrigues, o “Sr. Francisco” que só por consulta ao Site do STI sei ter representação do STI dado não ter referido a sua qualidade na assinatura do comentário:

1 – meu caro Francisco Rodrigues:
este Blog não é anónimo (conforme é visível na primeira linha da coluna da direita). Parece-me que teria sido mais correcto referir-se a Luís Novaes Tito ou a LNT (como assino todos os meus posts). O “Sr. Luís” é o da Barbearia do Sr. Luís, mas vá lá, aceita-se (e estimula-se) o humor.

2- não me esqueci de “referir alguns aspectos”. Referi aqueles que eram necessários para levantar a questão que levantei e esses não são aqueles que cita em 1, 2, 3 do comentário que abaixo transcrevo.

3- a afirmação que faz em 4 é, essa sim, “totalmente falsa”. Tenho na minha posse os documentos em que a Médis solicita os originais e a declaração da ADSE. Aliás esses documentos são do conhecimento do STI porque o email que os enviou para o Provedor do Cliente da Médis foi copiado (CC) para o STI e existe comprovativo da recepção.

4- e, para dar por findo este Post:

O STI foi alertado, em tempo correcto por email, para este caso concreto. Para além desse alerta entendi fazer o Post que deu origem a esta resposta, um direito meu de nunca prescindir de usar todos os meios lícitos existentes para defender aquilo que entendo. A “Família dos Impostos”, como era hábito referir os trabalhadores dos Impostos nas solenidades do antigamente, deveria merecer do seu Sindicato um tom mais cordial às questões que são levantadas pelos membros dessa família.

Bastar-lhe-ia ter escrito que o STI agradecia o alerta e que estava a desenvolver (ou já tinha desenvolvido) as providências necessárias para dar solução à questão.

Pela minha parte fico satisfeito por saber que o caso está resolvido (a ver, claro, aquando do pagamento da comparticipação devida porque de boas intenções...). De qualquer forma saiba que o “sem qualquer encargo” que refere está incluído no encargo do pagamento de uma quota mensal.

Tenha um bom ano de 2017, naturalmente extensível a todos os membros do STI e ainda aos da Família dos Impostos que não são filiados nesse Sindicato.

Francisco Rodrigues disse...
Relativamente a este post importa referir alguns aspetos de que o “Sr. Luís” se “esqueceu”:

1. O STI tem procurado ao longo dos últimos anos melhorar o Seguro de Saúde que disponibiliza aos seus Sócios sem qualquer encargo;
2. Temos ao longo dos anos procurado adaptar as condições às alterações legislativas que se têm verificado;
3. O Seguro de Saúde STI, no sentido de facilitar o acesso aos reembolsos, em muitas situações dispensa não só o original da fatura/recibo como a declaração da ADSE para efeitos de complemento de comparticipação. Por exemplo nas consultas onde baste enviar fotocópia da fatura/recibo, ou na aquisição de óculos onde basta enviar fotocópia da prescrição médica e da fatura/recibo;
4. É portanto completamente falso “que a Companhia de Seguros (Médis) e o Sindicato (STI) acordaram que, para que a seguradora comparticipe, é necessário uma declaração de complemento de comparticipação (que informa qual a parcela do acto médico que a ADSE não comparticipa) e igualmente estabelece que o original do recibo do acto médico lhe seja enviado”;
5. O problema que estava a ocorrer tinha exclusivamente a ver com a situação de despesas não comparticipadas pela ADSE e que a seguradora exigia, para efetuar a comparticipação, o recibo original. Esta questão tem vindo a ser tratada pelo STI com a MÉDIS ao longo das últimas semanas e estranhamos que o “Sr. Luís” não tenha procurado saber o que se estava a fazer para resolver a situação e tenha preferido esta forma de “comunicar”;
6. Assim e depois de concluídas as negociações com a MÉDIS podemos informar que no caso referido em 5. As comparticipações passarão a ser efetuadas bastando enviar á MÉDIS:
6.1. Fotocópia da fatura/recibo onde está descrito o ato médico realizado, bem como a descrição detalhada dos atos praticados;
6.2. Declaração da ADSE que comprova, que o original da fatura/recibo foi enviado para esse subsistema e de que não foi alvo de comparticipação
Por fim esperamos que o “Sr. Luís” não deixe de dar a esta resposta o devido destaque, pelo menos destaque igual ao que deu ao seu post pouco informado.
10 de Janeiro de 2017 às 11:17
LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.013/2017]

Já fui feliz aqui [ MDL ]

Museu da Música de Lisboa

Castelo de São Jorge - Lisboa - Portugal
LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.012/2017]

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Coragem, determinação, liberdade, democracia

Mário SoaresTinha prometido a mim mesmo não escrever o que quer que fosse sobre Mário Soares uma vez que nada iria acrescentar a tudo o que ele fez, mas não consigo cumprir essa promessa.

Ontem, depois de cumprimentar Isabel e João Soares, que estoicamente aguentaram firmes todo o protocolo, perfilei-me por segundos perante Soares agradecendo-lhe as muitas lições de coragem, determinação, liberdade e democracia que me deu ao longo da vida as quais, espero conseguir, transmito às minhas filhas e netas.

Despedi-me dele lembrando também algumas discordâncias e com um sorriso pensei que se não tivesse tido essas discordâncias teria sido sinal de nada ter aprendido com as lições que o seu exemplo me deu.

Obrigado, Mário Soares.
LNT
#BarbeariaSrLuis
[0.011/2017]